Os sonhos que realmente se cumprirão são aqueles que brotam no espírito
Quando o ser humano projeta seus sonhos no coração fica sujeito aos sentimentos do próprio coração para realizá-los. Pois, além de ser enganador e desesperadamente corrupto, ele é a fonte de sentimentos, das emoções, fantasias, e ilusões. E o homem passa a viver na dependência dessas emoções cada vez mais fortes e se alimentar de sentimentos. Quando falta esse alimento, ele se deprime e se enfraquece.

Para que um sonho se realize é preciso ter coragem para enfrentar as lutas e vencer os problemas e as dificuldades. Há milhões de barreiras a enfrentar para se conquistar um sonho. E cada sonho exige uma determinada luta. E para se obter vitória, a fé perseverante se faz necessária!

Ora, pode-se exigir da fonte de emoções a fé perseverante para a conquista de um sonho, se nessa fonte só há sentimentos fúteis e ilusórios? Claro que não! Seria o mesmo que preparar uma criança para a guerra…

O coração é débil, impotente e inconsistente. Na verdade, ele é impróprio para enfrentar qualquer tipo de problema até porque não foi feito para lutar e sim para sentir! Por isso ele se torna incapaz de inspirar a direção certa a quem quer que seja, de projetar algo realizável e de fazer a escolha certa.

Aquele que se orienta pelo coração se apóia nas circunstâncias. Ele se conduz de acordo com os sentidos naturais como visão, audição, olfato, tato e paladar… Ele precisa "sentir" algo para tomar uma decisão, ou seja, depende exclusivamente das circunstâncias para manter vivos seus sonhos e esperanças.

Em contrapartida, as circunstâncias não são favoráveis aos desejos do coração. Pelo contrário! Toda vez que se projeta um sonho no coração e se conta com a "sorte" para realizá-lo, surgem logo pequenos, mas crescentes problemas que o afetam e o fazem desanimar. Simplesmente porque está acostumado a viver de emoções. Por conta disso, seus sonhos e projetos jamais se realizam!

Mas quando os sonhos são projetados no espírito, e apoiados nas Promessas de Deus, então é impossível não serem realizados.O sonho projetado no espírito,para ser realizado,depende apenas de uma base sólida e não de sentimentos!O agricultor planta porque tem consciência de que vai colher. Ele se apóia nas leis da natureza: tudo o que se semeia se colhe. Ele não planta porque sentiu no coração uma boa idéia!

Assim como o agricultor depende da terra para plantar e colher seus frutos, também quem tem a mente cristã depende da Promessa de Deus para apoiar seus projetos pessoais ou sonhos.

Um sonho projetado na mente cristã se apóia na Palavra de Deus e jamais fica refém das circunstâncias. Ele não depende do que seus olhos vêem ou seus ouvidos ouvem, mas daquilo que Deus determinou no seu espírito! É, amigo leitor, um sonho projetado na mente cristã e apoiado numa Promessa de Deus jamais desiste. Pelo contrário: é, sobretudo, perseverante no seu propósito. Foi exatamente por isso que o Senhor chegou até a jurar quando disse: "Como pensei, assim se sucederá, e, como determinei, assim se efetuará." (Isaías 14:24). Quem usa a mente para projetar seus sonhos faz uso da mesma ferramenta que Deus usa para realizar Sua vontade. "Se projetas alguma cousa, ela te sairá bem, e a luz brilhará em teus caminhos."(Jó 22:28).

Que Deus abençoe a todos abundantemente.
 
I.B.G.

Hoje a tarde aproveitei um pouco para assistir um filme com minha família, cujo nome e  The Ultimate Gift (Titulo original),  O presente. E gostaria de recomendar a todos a assistir esse filme, é uma grande lição para todos nos, principalmente para aquelas  pessoas que acham que ter dinheiro é a única coisa na vida, e só pensam em ganhar, ganhar e ganhar e nada mais. E abaixo os 12 presentes que uma pessoa tem que ter para ser uma pessoa melhor e diferente. 
  • The Gift of work ( O presente do trabalho) 
  • The Gift of money ( O presente do dinheiro),
  • The Gift of Frineds ( O presente do Amigo)
  • The Gift of Learning ( O presente do conhecimento)
  • The Gift of Problems ( O presente dos Problemas);
  • The Gift of Family ( O presente da família);
  • The Gift of Laughter ( O presente da Risada)
  • The Gift of Dreams ( O presente dos Sonhos)
  • The Gift of Giving ( O presente da Doação)
  • The Gift of Gratitude ( O presente da Gratidão)
  • The Gift of Day ( O presente do Dia)
  • The Gift of Love ( O presente do Amor).
É possível ser uma pessoa bilionária e viver uma vida em que seu próximo estará em primeiro lugar?
Esta película maravilhosa te mostrará como isto é possível. Aliás, podemos refletir e fazer um paralelo do filme com o magnífico ensinamento de Paulo Apóstolo que diz: “ 3 E ainda que distribuísse todos os meus bens para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria.
4 O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não se vangloria, não se ensoberbece,
5 não se porta inconvenientemente, não busca os seus próprios interesses, não se irrita, não suspeita mal;
6 não se regozija com a injustiça, mas se regozija com a verdade;
7 tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. 1Cor, 13,3-7

O mais importante é que, todos os dias, Deus embrulha para nós, enquanto dormimos, com todo o carinho, nosso presente: O DIA SEGUINTE!
Ele cerca nosso dia com fitas coloridas, não importa o que esteja por vir.

A esse dia quando acordamos, chamamos de PRESENTE.
O PRESENTE de Deus pra nós. Nem sempre Ele nos manda o que esperamos, o que queremos.
Mas Ele sempre, sempre e sempre, nos manda o melhor, o de que precisamos, e que é sempre muito mais do que merecemos.

Abra seu PRESENTE todos os dias, primeiro agradecendo a Quem o mandou, sem se importar com o que vem dentro do "pacote“.Sem dúvida, Ele não se engana na remessa dos pacotes. Se não veio hoje o PRESENTE que você esperava, espere.

Abra o de amanhã com mais carinho, pois a qualquer momento, os sonhos e planos de Deus pra você chegarão, embrulhadinhos pra PRESENTE!

DEUS não atende as nossas vontades, e sim nossas necessidades.

Que você tenha uma noite e um dia abençoado, cheio da Presença de Deus, e que seu presente venha lhe trazer muita paz, experiências com Deus, e esclarecimento sobre o muito que ainda temos a aprender com Ele e por Ele!

Tenha um ótimo noite e que Deus te abençoe.

Essa é a história de Pedro, um ótimo lenhador que chegou a uma serraria procurando emprego. O capataz deu-lhe um dia para que ele mostrasse as suas habilidades.
Pedro surpreendeu o capataz, pois era capaz de derrubar dez árvores enquanto o normal era abater duas por dia. O melhor lenhador derrubava quatro.
Diante disso, Pedro foi alvo de comentários por parte de todos, pois era o melhor lenhador que se conhecia. Foi um verdadeiro sucesso. Porém, depois de algum tempo, sua produção baixou até que passou a ser o pior de todos os lenhadores. O que estaria acontecendo? O capataz preocupado, procurando saber o que estava havendo, chamou Pedro e disse:

- No dia em que você chegou aqui derrubou dez árvores, sem demonstrar cansaço e assim continuou por algum tempo. Mas ultimamente o vejo abatido e esgotado, sua produção foi caindo e você tem derrubado apenas uma árvore por dia. O que houve?
- Não sei, respondeu Pedro. Estou trabalhando como nunca trabalhei antes: tenho me esforçado três vezes mais, sou o primeiro a ir para a mata e o último a voltar!
O capataz pensou um pouco e perguntou a Pedro:
- Pedro, nesse tempo que está aqui, quantas vezes você amolou o machado?
E Pedro, um pouco atrapalhado, respondeu:
- Nenhuma, não tive tempo.

Quantas vezes voce amolou seu machado desde que foi chamado por Jesus? Nossa produção tem que no mínimo permanecer estável. Nunca diminuir! O que temos produzido com nossa ferramenta dada por Deus?
Nosso machado é nossa fé e nosso amolador é o Espírito Santo. Se voce não tiver contato com Ele, seu machado vai dimiuindo a produção até ficar totalmente cego.

“Tudo tem a sua ocasião própria, e há tempo para todo propósito debaixo do céu.” Eclesiastes 3:1
Oi, irmãos gostaria de compartilhar um pouco do que estudamos na igreja Domingo passado, foi uma benção, ja tinha ouvido estudos sobre essa palavra, mas a palavra do senhor se renova a cada manhã, e como renovou em meu coração e no coração de quem estava ao nosso lado, foi uma benção e um despertar do nosso Deus para nossas vidas. Vou falar um pouco e espero que o nosso Deus venha falar em cada coração que ler essa mensagem da palavra do nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.
Vós sois o sal da terra; e se o sal for insípido, com que se há de salgar? Para nada mais presta senão para se lançar fora, e ser pisado pelos homens. Vós sois a luz do mundo; não se pode esconder uma cidade edificada sobre um monte; Nem se acende a candeia e se coloca debaixo do alqueire, mas no velador, e dá luz a todos que estão na casa. Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai, que está nos céus.” (Mateus 5: 13-16).
Deus nos inspira a fazer uma autoavaliação, um balanço, uma análise de como tem sido a nossa vida.
Todos nós, cristãos, queremos viver segundo a vontade soberana de nosso Senhor Jesus Cristo. Também sabemos que os frutos da nossa vida dependem das nossas acções. Tanto que, em Isaías 3:10 diz: “Dizei aos justos que bem lhes irá; porque comerão do fruto das suas obras”.
É preciso sermos bem claros que, por sermos árvores boas, sempre daremos bons frutos. Pode uma árvore boa dar maus frutos? Não! Este é o momento propício para compreendermos de forma profunda a importância e o porquê dessa expressão de Jesus Cristo: “Vós sois o sal da terra… Vós sois a luz do mundo…” (Mateus 5:13-16).

O sal, nos tempos bíblicos, era valioso, servia como moeda, devido à sua preciosidade e importância.

O Senhor Jesus, no seu Sermão da Montanha, disse aos seus discípulos: “Vós sois o sal da terra; e se o sal for insípido, com que se há-de salgar? Para nada mais presta senão para se lançar fora, e ser pisado pelos homens” (Mateus 5:13).

O que Jesus estava querendo demonstrar com esta comparação? Para que nós venhamos a entender esta comparação, devemos analisar algumas características do sal:

1. É cristalino ou transparente
O crente tem que levar uma vida transparente perante o mundo, não ter nada a esconder, ser claro em tudo o que fizer, seja nos negócios, no trabalho, na família. Não pode ser um crente camaleão, adaptando-se facilmente a qualquer tipo de ambiente. O cristão tem que levar uma vida em comunhão com Deus e deixar transparecer o poder do Espírito Santo em sua vida.

2. É branco
Na Bíblia Sagrada o branco é sinónimo de santidade, é sinónimo de vida com Deus. No Livro de II Reis, no capítulo 4, lemos que Eliseu nas suas sucessivas viagens passava em frente da casa duma mulher sunanita, que morava em Suném, uma pequena cidade próxima ao monte Carmelo.

Esta mulher comentava com o seu marido: “Eis que tenho observado que este que passa sempre por nós é um santo homem de Deus”. Aonde nós estivermos as pessoas têm que saber que somos diferentes, porque o Espírito Santo de Deus está em nossas vidas.

3. Conserva
O sal era essencial à vida nos tempos antigos, mais do que em nossos dias, pois era o único meio de conservar e preservar os alimentos, como a carne, o peixe, etc.. Daí ser relacionado com a pureza porque Deus quer que nós não sejamos tocados pelo Maligno ou o Mundo.

No verso 13, vemos que o cristão é comparado ao sal. Logo, devemos preservar a moral e o carácter, livrando o mundo da corrupção e dos maus costumes.

Lemos no livro do profeta Daniel, capítulo 1, verso 8, que “Daniel não se deixou contaminar” com os manjares do rei, nem com o vinho que ele bebia, pedindo ao chefe dos eunucos que lhe concedesse o direito de não se contaminar.

Para que o cristão seja o sal da terra deve exercer uma certa função viva na vida. Há certas pessoas que, pela sua vida, seu contacto, nos levam a ser bons. Há outras que, junto delas, se torna difícil sermos bons.

4. Dá sabor
Outra propriedade do sal é ser misturado aos alimentos para lhes conferir um sabor agradável, pois este é o principal tempero usado na culinária. Sem isso, não produzirá os efeitos desejados. Se a comida estiver sem gosto, a primeira atitude que tomamos, ao nos sentarmos para comer, é pedir que nos tragam o sal.

Veja que interessante: o sal sempre teve um papel importante na vida do ser humano e, igualmente, na sua vida espiritual. No Antigo Testamento, em Levítico 2:13 diz assim: “Toda oferta dos teus manjares temperarás com sal; à tua oferta de manjares não deixarás faltar o sal da aliança do teu Deus; em todas as tuas ofertas aplicarás sal”.

Depois, em Números 18:19 diz: “Todas as ofertas alçadas, que os filhos de Israel oferecerem ao Senhor, tenho dado a ti, e a teus filhos, e a tuas filhas contigo, por estatuto perpétuo: concerto perpétuo de sal perante o Senhor é, para ti e para a tua semente contigo”.

Para podermos explicar melhor o que significa um crente sem sabor, olhemos para um saleiro de cozinha. Vemos aquele pó branco e acreditamos que é sal. Mas, notemos o seguinte: só teremos a certeza de que é sal quando derramarmos o pó na comida, e sentirmos o gosto. Ou seja, só sentiremos o sabor do sal se ele não estiver no saleiro.

Quantos já confundiram sal com açúcar?
Então, o que isso significa? O saleiro tipifica a Igreja, e é fora da igreja que somos provados e realmente conhecemos o nosso verdadeiro sabor. Não é verdade?

Quando olhamos para dentro duma igreja todos os crentes, aparentemente, são sal. Mas é fora do saleiro, fora das portas da igreja, que nós somos provados, que se sabe, realmente, se somos sal.
Uma das características do mundo actual é a diminuição das exigências morais.

No que respeita à honradez, à dedicação ao trabalho, à rectidão e à moral, tudo está perdendo o seu valor. O cristão deve ser quem mantenha estes altos ideais de uma pureza absoluta… na linguagem, na conduta e até no pensamento.

Nenhum cristão se pode afastar das normas da honestidade. Nenhum cristão pode aceitar a imoralidade do pecado. Nenhum cristão pode pactuar com a mentira. O cristão não deve afastar-se do mundo, mas, como diz Tiago (1:27) deve “guardar-se da corrupção do mundo”.

Deus quer que conservemos a nossa vida com sabor. Nem muito salgada nem com pouco sal. Deve ser a medida certa! O que é a medida certa? Paulo disse a Timóteo que Deus nos deu um espírito de moderação: “Porque Deus não nos deu o espírito de temor, mas de fortaleza, e de amor, e de moderação” (II Timóteo 1:7).

Por quê? Porque muito sal é fanatismo. O cristão precisa de ser equilibrado, moderado, ser sábio. Ser sal da terra é ser um cristão legítimo, com um bom testemunho.

Paulo diz a Timóteo: “Traz estas coisas à memória, ordenando-lhes diante do senhor que não tenham contendas de palavras, que para nada aproveitam e são para perversão dos ouvintes. Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, mas que maneja bem a palavra da verdade” (II Timóteo 2:14-15).

Em Mateus 5:13 diz que devemos ter sabor: “Ora, se o sal for insípido, como lhe restaurar o sabor? Para nada mais presta senão para, lançado fora, ser pisado pelos homens”.

O sal, quando perde o sabor, nunca mais adquire o seu verdadeiro carácter. É apenas um grão qualquer. Assim também o cristão, se for insípido para nada presta, pois perdeu o temor do Senhor e será lançado fora.

O que é um crente sem sal? São aquelas pessoas que cuidam mais da aparência, do que da essência. Estão mais interessados no que os outros pensam sobre eles, do que em sua real situação. São os fariseus de todos os tempos, mais interessados em prestígio, destaque social, do que em atender o objectivo da vida.

O Apóstolo Paulo escreveu: “A vossa palavra seja sempre agradável, temperada com sal, para saberdes como deveis responder a cada um” (Colossenses 4:6). Jesus nos exorta a uma transformação moral, afeiçoados aos seus ensinos.

Ninguém dá o que não tem. E ninguém tem realmente senão aquilo que é. Para a pessoa “fazer”, ou “dizer”, com autoridade é necessário “ser” alguém que já desenvolveu em si mesmo os valores que deseja incentivar nos outros. O sal para produzir os efeitos do sal tem que ser sal de verdade, ou seja, guardar as propriedades que lhe são próprias.

Assim:
a) O crente sem sal é aquele que dá lugar à carne, vive em pecado, no erro, vacilante e dividido.
O Apóstolo Pedro diz que “estamos mortos para o pecado” (I Pedro 2:24). Nós, como sal, não devemos dar vazão à vontade de pecar. Às vezes, a carne tenta, mas somos sal.

O nosso espírito é mais forte. O novo homem é criado segundo Cristo. É padrão dos fiéis na Palavra, no amor, no procedimento, na fé e na pureza.

b) O crente sem sal é aquele que não fala de Jesus porque sente medo e vergonha.
Falar de Jesus é uma honra para todos nós, é um privilégio que não é de todos. A fé não é de todos, mas dos eleitos. O Evangelho é o poder de Deus (Romanos 1:16) que está na nossa vida. É o poder que transforma, muda.

c) O crente que se torna insípido é aquele que deixa de orar.
O crente que não ora torna-se vulnerável, presa fácil do inimigo, cheio de dúvidas, ansioso, preocupado, desconfiado de tudo e de todos, abandona o seu primeiro amor (Apocalipse 2:4-5), esfria e deixa de lado seus compromissos.

5. Produz sede
O sal é um elemento precioso, porém precisa ser usado na quantidade certa, com equilíbrio. Colocar muito sal pode estragar os alimentos, tornando-os impróprios para consumo. Todos sabemos que quando comemos alguma coisa salgada logo ficamos com sede. Tomemos como exemplo a água do mar, que quando bebida causa a desidratação, causando mais sede em quem a bebe (náufrago).

O cristão, como sal, cria sede espiritual nos outros, porque deve existir diferença entre aqueles que invocam o nome de Jesus e aqueles que O desprezam. Deus diz que faz distinção do povo dele (Êxodo 8:23; Malaquias 3:18). O Senhor zela pelos seus, portanto, o agir de Deus na vida dos seus filhos traz sede aos que vêem.

Nós nos convertemos porque quem que nos evangelizou tinha uma vida abençoada, o que nos levou a querer aquele Deus. Muitos homens de Deus produziram sede (Actos 2:37). Depois da pregação os discípulos voluntariamente disseram “que faremos…”.

Só falaram isso porque viram na vida de Pedro uma graça que os queria tornar iguais ao pregador (Actos 16:30; 24:26; Mateus 4:25).

Ser “sal da terra” significa que precisamos causar nas outras pessoas um despertamento. Precisamos dar sabor à vida das pessoas. Precisamos despertar nelas uma sede de Deus nas suas vidas, sermos uma bênção!

Deus relacionou todos nós ao sal e luz para nos conservar e nos dar direcção no mundo. Deus assim quis. Por esta razão, devemos agir com muita sabedoria, demonstrando naturalmente o poder de Deus, a santidade de Deus, o amor de Deus.

Para nós é impossível viver assim. Mas com a acção do Espírito Santo tudo é possível, pois o que é impossível para nós é possível para Deus.

Nós devemos ser diferentes ou somos hipócritas. Meio-termo no Reino de Deus não existe. Quem é morno, nem frio ou quente, está a ponto de ser vomitado da boca de Cristo.
Deus espera muito de nós, da sua Igreja. Tem de haver diferença entre nós e os do mundo. Só isso vai glorificar a Jesus.

Na nossa vida diária é imprescindível a utilização do sal para tornar os alimentos saborosos. Logo concluímos que o cristão deve também ser agradável, especialmente com os descrentes. Já que a luz cria vida, afugenta as trevas e ilumina o caminho dos outros, devemos brilhar intensamente.

Terminamos com o seguinte versículo: “Então vereis outra vez a diferença entre o justo e o ímpio; entre o que serve a Deus, e o que o não serve” (Malaquias 3:18).

Que Deus nos abençoe e nos torne como sal e luz, verdadeiros no meio desta geração incrédula e perversa. Amém!

Palavras minha (kelpe e do Miss: Júlio)





Nosso desafio é o de fazer as coisas de forma diferente. Esse é o chamado da primeira bem-aventurança que, como veremos, será reiterado nas outras. Como cristãos, devemos nos desvincular da duvidosa tradição da auto-suficiência e fazer algo que pode parecer um tanto quanto antinatural: deixar Deus nos guiar - guiar tudo o que pensamos e fazemos - 24 horas por dia, sete dias por semana.  Esta luta é uma parte importante do que significa ser um cristão comprometido e firme."
Guia-me pelas veredas da justiça por amor do seu nome.” (Salmo 23.3)
 Deus Abençoe a todos.

Não te mandei eu? Sê forte e corajoso; não temas, nem te espantes, porque o Senhor teu Deus é contigo, por onde quer que andares." (Jos 1:9)
Com essas palavras diretamente da boca de Deus, Josué inicia seu ministério. Moisés acabara de morrer. Líder carismático, experimentado e manso, Moisés era do tipo que naturalmente deixava outros a seu redor sentirem-se pequenos. Contava com tal grau de intimidade com Deus que dificilmente era questionado por suas decisões e direcionamentos. Sucedê-lo foi o grande desafio de Josué. Foi nesse contexto que os conselhos pontuais de Deus vieram para sustentar e incentivar aquele novo líder.
Segundo o primeiro capítulo do livro de Josué, o caminho para a força é a meditação diuturna na Palavra, o desenvolvimento da fé e da confiança na presença do Altíssimo, o tempo de busca intensa da presença do El Shaddai, assim como já havia testemunhado tantas vezes na vida de seu antecessor, inclusive no Monte Sinai. Força do Alto para dentro; de dentro para fora.
Já a trilha para a coragem é a obediência, o não desviar-se nem para a direita nem para a esquerda, a busca da santidade, da integridade, do não relativismo, do não se conformar com o curso comum desse Século, o enfrentamento das resistências externas, a determinação em cumprir aquilo que se crê.
Essa direção de Deus a Josué evitou outras possíveis atitudes como 1- ser forte e covarde – seria a situação de saber tudo o que se deveria fazer, ter a confiança e a fé necessárias, mas vacilar na execução; ou 2- ser fraco e corajoso – executar com ousadia, porém sem correta direção, por ignorância, como um neófito com poder; ou, pior, 3- ser fraco e covarde – não saber, não confiar, nem ao menos fazer e dirigir o povo, deixando à revelia e ao curso da vontade de cada um, um absoluto caos.
Enquanto a força é o saber o que se deve fazer, a coragem é simplesmente o fazer. Enquanto força é a clareza mental e de objetivos, coragem é a coerência na execução e consecução do que se quer fazer. Nem só um, nem só outro. Tão somente, seja forte e corajoso!
A FORÇA E A CORAGEM, SE ADQUIRI NO CONHECIMENTO DA PALAVRA DE DEUS.
Por isso receba o Senhor Jesus como seu único, exclusivo, suficiente e eterno Senhor e Salvador e nunca desista do Caminho, independente das circunstâncias! Sem Jesus é impossível ter vida eterna!



 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...